5 ferramentas para o desenvolvimento de um líder

- Líderes Empresariais - Nov 18, 2012

Escrito por Adriano Berger*

A arte de liderar não é nada fácil e muitos são os líderes instituídos que buscam uma guia sobre como desenvolver com eficiência sua dura missão, onde nem sempre estar em uma função de chefia tem sido sinônimo de exercer uma boa liderança.
 
Mas se você tem pessoas sob o seu comando e sente a dificuldade de liderá-los não se desespere. Essa dificuldade é natural e pode ser sanada com alguns exercícios e conselhos que vou te dar.
 
Vamos começar com uma premissa: qual é o papel de um líder? Esqueça quase tudo o que tem ouvido a respeito e compreenda que a liderança começa com o entendimento de seu OBJETIVO na função. Logo, o papel de um líder na gestão de um empreendimento comercial, por exemplo, é a obtenção de lucro para a empresa. Se você é líder de um departamento de RH, seu objetivo é otimizar financeiramente e tecnicamente os profissionais da empresa. Se você é líder de uma linha de montagem, seu objetivo é otimizar os custos de produção com produtividade e qualidade do produto final. E assim por diante...
 
Agora que você sabe de seu objetivo, ou seja, o que a empresa espera de você, comece a desenvolver as ferramentas necessárias para o alcance desse objetivo. Vamos a elas:
 
1 - Você deve dominar a operação. Logo, a primeira ferramenta para liderar com eficiência é ter o CONHECIMENTO daquilo que está sob o seu comando. Um líder leigo ou inseguro quanto a suas rotinas ou às demandas do empreendimento não será capaz de liderar uma equipe.
 
2 - De posse do conhecimento das atividades cabe ao líder selecionar com mais critério os profissionais que pertencerão à sua equipe. Logo, é papel do líder saber RECRUTAR profissionais com o perfil adequado para a execução das tarefas sob a sua gestão.
 
3 - Liderando uma equipe já estabelecida ou recém contratada, é papel do líder TREINAR e DESENVOLVER profissionalmente seu pessoal, atribuindo valores às suas funções, destacando a importância do trabalho de cada um para a empresa e apontando os prejuízos tangíveis e intangíveis de um trabalho errado ou negligente.
 
4 - Treinar e desenvolver pessoas com eficiência envolve também uma habilidade chamada VENDER, que no pepel do líder combina mais com PERSUADIR as pessoas a concordar com suas ideias, projetos e mudanças em seu departamento. Um líder sem argumentos e incapaz de vender suas opiniões aos seus liderados, dificilmente conseguirá adesão de todo o grupo para implantar as mudanças e melhorias necessárias para o alcance de seus objetivos. Principalmente quando essas mudanças forem na área comportamental. Por isso o líder deve ser um grande influenciador, e sua postura e comportamento têm papel fundamental para que ele alcance com êxito sua tarefa de vender mudanças e projetos à sua equipe. O líder deve desenvolver, antes de mais nada, o seu marketing pessoal para melhorar sua aceitação perante o grupo e facilitar o seu trabalho de liderar.
 
5 - Por fim, dentro da rotina de um líder está a mais importante de todas as as funções para a manutenção de um trabalho eficiente, que é a de ACOMPANHAR o trabalho e o desempenho da equipe. Cabe ao líder mostrar-se presente no dia a dia das pessoas acompanhando-as individualmente, fazendo perguntas esporádicas sobre um procedimento ou outro, conferindo a execução de algumas atividades, perguntando se o desenvolvimento do trabalho está satisfatório, se há algo que possa ser aprimorado, enfim, mostrar-se interessado não apenas em fiscalizar e conferir a execução das tarefas, mas em ouvir o que o colaborador tem a dizer além do trivial. Nessa etapa é que está o papel MOTIVACIONAL de um líder. Não há como motivar uma equipe ou um indivíduo se o líder não estiver próximo acompanhando e mensurando o desenvolvimento e o desempenho de seus liderados.
 
Muitos dizem erroneamente que para motivar um colaborador deve-se melhorar o seu salário, oferecer benefícios, e etc. Essa teoria reduz a função de um líder para mero fiscal ou encarregado, ou seja, transforma o colaborador em "cachorrinho", aquele que faz seu trabalho bem feito em troca de bugigangas, e não motivado por argumentos práticos e ambiciosos da profissão.
 
O líder deve sempre estar em contato com seus liderados, e essa iniciativa deve partir dele, e não do colaborador. Esse contato estreita o relacionamento e o respeito de um pelo outro, permitindo uma troca de ideias e opiniões muito saudável para o crescimento de ambos.
 
Mas cuidado para não confundir o aspecto profissional com o pessoal. O líder deve envolver-se nos problemas pessoais de sua equipe somente naquilo que impacta em seu desempenho na organização. É preciso ter muito cuidado com a relação de amizade entre ambos, pois isso pode provocar ciúmes, inveja ou incômodos por parte dos outros membros da equipe, além de interferir na relação de comando e autoridade do líder para com o seu "amigo" subordinado.
 
Para finalizar quero fazer um desafio a você líder: além de oferecer resultados dentro do objetivo da organização para qual a sua liderança se destina, você é um líder INSPIRADOR? Sua equipe te admira e se orgulha de ser liderada por você? Use sempre esse termômetro para medir seu desempenho como líder. Não basta ser amigo e querido pelos seus liderados. Um bom líder, além de dar resultados à empresa, é sempre motivo de inspiração e admiração por parte de sua equipe, e esse é o diferencial para o alcance de seus resultados: uma equipe comprometida com a empresa e com o departamento sob a sua liderança.
 
Com esses conselhos e dicas espero ter contribuído com o seu desenvolvimento profissional. 
 
*Adriano Berger é autor do blog Carreira, sociedade e o mundo dos negócios 

Like what you see! Signup for our weekly newsletter

Comments(0)